Cultura Digital, Letramento Digital, Tecnologias e Educação

Formação de Professores

O professor reflexivo de inglês e o uso de novas tecnologias.

Imagem: Pixabay

COSTA, D. M. ; Puggian, Cleonice ; VILAÇA, Márcio Luiz Corrêa . O professor reflexivo de inglês e o uso de novas tecnologias. Cadernos do CNLF (CiFEFil), v. 18, p. 134, 2014.

 

RESUMO

O presente artigo objetiva discutir o papel do professor de inglês face às demandas e responsabilidades atuais, que não se reduzem somente ao ensino de habilidades linguísticas ou gramaticais. Confiamos que exista, atualmente, a urgência de se pesquisar também a capacidade de reflexão do educador sobre a própria prática e buscar estratégias para fazer a mesma relevante para a comunidade escolar. Além disso, por vezes, o ofício docente inclui conhecer e dominar ferramentas tecnológicas modernas no fazer diário, o qual precisa integrar relações humanas e elementos digitais de modo a construir, a partir de ambos, saberes e valores. Abordaremos, neste artigo, conceitos teóricos sobre o ser professor reflexivo e seu papel face às tecnologias digitais. Acreditamos que as discussões propostas neste trabalho possam ser ampliadas a todos os demais docentes e não somente aqueles do idioma inglês, embora esses educadores estejam no centro do nosso artigo. Incluiremos também considerações referentes ao uso de novas tecnologias da informação e comunicação almejando integrá-las à discussão da prática reflexiva no fazer pedagógico do educador de língua inglesa.

Palavras-chave: Professor reflexivo de inglês. Ensino de inglês. Novas tecnologias.

 

O presente trabalho está organizado em duas grandes seções. A primeira pretende discutir aspectos concernentes à prática reflexiva do professor, especialmente aquele de língua inglesa. Na segunda parte, discorreremos sobre a integração de novas ferramentas digitais ao ensino de inglês e como as mesmas podem proporcionar oportunidades para se aperfeiçoar a prática docente a partir da reflexão. Não temos como pretensão abarcar todas as minúcias e desafios que circundam e impulsionam o fazer docente, porém, desejamos contribuir com informações que motivem os profissionais da educação para uma postura mais investigativa com relação ao seu trabalho e o ambiente que o influencia direta e indiretamente.

Confiamos, portanto, que este trabalho possa auxiliar no processo de reflexão dos educadores quanto à importância de se conhecer e integrar recursos tecnológicos de forma crítica e consciente à realidade que os cerca. Acreditamos, como desdobramento, contribuir com a formação global dos alunos que, de modo inevitável, já são cidadãos de um mundo globalizado, interconectado e dinâmico.

Convém apontar que a crescente integração de ferramentas digitais em práticas educacionais não deve ser entendida como um reflexo de um modismo ou mero desejo de atualização ou virtualização das salas de aula e das relações entre professores e alunos. Na verdade, trata-se de uma necessidade cada vez mais intensa e urgente de repensar metodologias e abordagens pedagógicas, para além da simples instrumentalização tecnológica de professores, alunos e dos espaços educacionais. Afinal, é preciso reconhecer que as tecnologias têm modificado e proporcionado formas de comunicação e interação, em diferentes práticas sociais, por vezes provocando ressignificações de algumas destas. Arruda (2009, p. 18) argumenta que “os sujeitos que têm acesso às diferentes mídias criam outras relações de saberes e outras maneiras de interpretar o mundo”.

As tecnologias digitais relacionam-se com as tecnologias da inteligência. A relação entre os seres humanos e as tecnologias por eles desenvolvidas e empregadas provocam, em diferentes níveis e andamento, transformações culturais (FREITAS, 2009), que se refletem em modos de construção, interação, armazenamento, processamento e comunicação com o conhecimento. (p.136)

 

 

Acesse o artigo aqui!

 

 

Tecnologia e educação: introdução à competência tecnológica para o ensino online.

Imagem: Pixabay

VILAÇA, Márcio Luiz Corrêa . Tecnologia e educação: introdução à competência tecnológica para o ensino online. Revista e-scrita: revista do curso de Letras da UNIABEU, v. 2, p. 113-122, 2011.

Resumo: O uso da tecnologia na educação, inclusive na educação a distância e ensino semipresencial, demanda novos papéis para professores. Este artigo enfoca o ensino em contextos online, destacando a necessidade de uma abordagem interdisciplinar para a discussão de educação, tecnologia e língua. O foco deste trabalho está na discussão da importância de desenvolvimento da competência tecnológica de professores para a educação online.

Palavras chave: ensino online, tecnologia, formação de professores

Technology and education: introduction to technologic competence for online teaching Abstract: The use of technology in education, including distance learning and blended learning, demands new roles for teachers. This article focuses on teaching in online contexts, highlighting the necessity of an interdisciplinary approach to discuss education, technology and language in teacher education and training. The focus of this paper is on discussing the importance of developing teachers’ technological competence for online education.

Keywords: online teaching, technology, teacher education

O ensino online, da mesma forma que o presencial, requer o domínio da competência didática. O professor deve ser capaz de compreender abordagens, métodos, procedimentos e técnicas de ensino, considerando, neste caso, suas características, especificidades e possibilidades. Não se trata de uma “nova” didática, mas de conhecimentos e práticas que contemplem mais diretamente aspectos relacionados ao ensino mediado pela internet, como, por exemplo, a própria compreensão desta modalidade, da sua história e suas características.

Se já estamos acostumados às aulas presenciais, o ensino em contextos digitais ainda é uma novidade para a maioria. Se dominamos com facilidade os recursos e as formas de interação em salas de aulas presenciais, o mesmo não é verdade para as salas de aula virtuais.

Logo, podemos informalmente considerar que, na maioria das vezes, não temos “instintos básicos” para a interação e para a estudo online. Em outras palavras, a educação presencial nos remete à tradição, à uma cultura intensamente enraizada e, por consequência, algo já conhecido, compreendido e dominado. No entanto, o ensino online oferece geralmente a
sensação de novidade, inovação e desafio, e , por vezes, incertezas e inseguranças.

Acesse o artigo aqui!

 

 

Lousa Digital no Ensino de Língua Inglesa: O Que os Professores Dizem sobre sua Prática?

Imagem: Pixabay

COSTA, D. M. ; PUGGIAN, C. ; VILAÇA, Márcio Luiz Corrêa . Lousa Digital No Ensino De Língua Inglesa: O Que Os Professores Dizem Sobre Sua Prática?. InterScience Place, v. 11, p. 115, 2016. Acesse o artigo aqui!

Resumo – Este artigo descreve os resultados de uma pesquisa qualitativa sobre as transformações resultantes da introdução da lousa digital como recurso didático para o ensino da língua inglesa. Dados foram coletados através da amostragem do tipo bola de neve, através da qual foram identificados docentes de reconhecida competência na utilização da lousa eletrônica. Dez participantes foram apontados pelos seus pares e participaram de entrevistas semiestruturadas. Realizamos a tematização e análise dos dados a partir do relato dos participantes, o que propiciou a formulação de argumentos explicativos. Através das narrativas dos docentes, identificamos que a adoção da lousa digital produz alterações no planejamento e condução das aulas, possibilizando flexibilização do planejamento e incremento dos recursos visuais. Palavras-chave: Lousa digital. Ensino de línguas. Docência. Tecnologias.

Abstract – This paper describes the results of a qualitative study on the changes promoted by the digital whiteboard on the teaching of English. The study adopted a snowball sampling technique, through which teachers of recognized competence on the use of this electronic device were identified. Ten participants were singled out by their peers and interviewed during the year of 2013. Categories and themes were identified during data analysis, which led to the formulation of explanatory arguments. Participants’ narratives revealed that digital whiteboards, when adopted for the teaching of English, produce changes in the way teachers plan and conduct classes, making planning more flexible, with enhanced visual resources. Keywords: Digital Whiteboard. Language Teaching. Teaching. Technologies.

 

O referencial teórico deste estudo, de natureza interdisciplinar, articula contribuições do campo da educação, da linguística aplicada e da tecnologia. Observamos que o ensino de língua inglesa permeia vários segmentos sociais, ainda que de modo diferente, e está associado às demandas políticas e históricas que dão ao idioma um status global (CRYSTAL, 2003) ou multinacional (LEFFA, 2001). As constantes motivações para dominar a língua inglesa apontam para um mundo onde todos permanecem interligados (ASSISPETERSON; COX, 2007; GIMENEZ, 2008; SILVA, 2012; KUMARAVADIVELU, 2006). A língua inglesa assume o status de idioma oficial, responsável por disseminar achados ao redor do planeta, afirmando-se, dia a dia, como veículo de conhecimentos multiculturais. Por questões históricas, o inglês assume de forma exponencial o caráter de língua da comunidade científica (SOETE, 2005), com crescente presença no ciberespaço.

A força desse idioma também está associada ao poder político dos países que o tem como língua oficial. Crystal (2003, p. 07, tradução nossa) elucida que “a língua não tem existência independente, vivendo em algum tipo de espaço místico à parte das pessoas que a falam […]. Quando [falantes do idioma] conseguem êxito, no cenário internacional, a língua prevalece. Quando eles fracassam, a língua também”3. Reiteramos, então, que a presença oficial do inglês nas decisões mundiais na contemporaneidade está relacionada ao status que nações anglófonas, com destaque para os Estados Unidos da América, conquistaram na política, na economia, na cultura e também na produção de novas tecnologias.

 

Acesse o artigo aqui! 

 

 

 

Cultura digital, letramento digital e formação de professores de línguas estrangeiras

Fonte: Pixabay

VILAÇA, Márcio Luiz Corrêa. Cultura digital, letramento digital e formação de professores de línguas estrangeiras. CADERNOS DO CNLF (CIFEFIL), v. 21, p. 1761, 2017.

RESUMO Este trabalho discute diferentes dimensões das transformações e das implicações da cultura digital na formação de professores de línguas estrangeiras. O uso de tecnologia não é recente no ensino de línguas estrangeiras. No entanto, a emergência e a expansão de uma cultura digital oferecem diferentes implicações que devem ser consideradas na formação de professores, que incluem, mas não estão restritas ao letramento digital (ARAUJO & VILAÇA, 2017), gêneros textuais digitais (MARCUSCHI, 2008 e 2010; KOCH, 2011), multimodalidade e uso de recursos e ambientes baseados na web 2.0 (GABRIEL, 2013). Hoje a tecnologia afeta as práticas pedagógicas, mesmo quando não são empregadas em sala de aula e quando não se apresentam de forma clara. Isso se deve ao fato de que a cultura digital se mantém, mesmo quando não há “conexões” ou dispositivos digitais em uso. Palavras-chave: Cultura digital. Letramento digital. Formação de professores.

A cultura digital ganhou destaque e passou a ser um tema amplamente discutido e pesquisado, sendo abordado por diversas áreas tanto em perspectiva disciplinar quanto interdisciplinar (SANTAELLA, 2010; FANTIN & RIVOLTELLA, 2012; VILAÇA, 2014; ARAÚJO & VILAÇA, 2016). Com a popularização das tecnologias digitais, dos dispositivos, da conexão em banda larga, dos aplicativos, vários conceitos relacionados a esta cultura digital foram sendo revistos e passaram a incorporar novos significados ou por processos de questionamento e revisão. Para ilustrar de forma objetiva, letramento digital e inclusão digital podem ser citados. Estes termos/conceitos têm sido usados com diferentes significados e a sua compreensão tem incorporado novas percepções, características, perspectivas e atribuições. (VILAÇA & ARAUJO, 2017)

 

Acesse o artigo aqui!